Páginas

domingo, 6 de novembro de 2016

2016: falou, valeu, obrigado por quase tudo.

Já tem um ano! A ultima vez que estive aqui foi há um ano exatamente. Tanta coisa aconteceu nesse um ano. Depois do turbilhão de coisas em 2015, para 2016 eu só desejo que acabe. rsrs
Não que tenha sido um ano ruim, foi melhor do que 2015; mas eu tinha mais expectativas para ele... Como todo brasileiro! Mas só de não ficar pior, já é algo bom!
Me recordo que no início desse ano, eu tinha certeza que 2016 seria a continuação de tudo que me ocorreu em 2015. E quase foi mesmo! Só não foi pois eu  e pessoas incríveis que hoje tenho ao lado, não deixaram.
Se eu pudesse colocar numa balança, foi um ano equilibrado; iniciei meu mestrado, que imaginaria não é mesmo?! Um ano que me reacendeu essa questão de estudos não é um ano qualquer, ainda mais pra uma pessoa como eu que tem preguiça de ler. rsrs
Uma outra coisa e das mais incríveis que me aconteceram esse ano sem dúvida também, foi ver pessoas lutando contra o próprio Gleydson, para que eu mantivesse o meu sorriso. Nunca pensei, e nem considerei que fosse tão importante pra elas nesse nível! Por vezes a gente se sabota, e não consegue ver nossas quantidade, sem perceber que há pessoas lá fora torcendo por nós, vendo o que a gente não consegue ver, nos puxando mesmo quando o fardo parece ser impossível de carregar. Sou e serei eternamente grato por isso!
Após um ano, eu volto no meu blog pra quebrar essa corrente antiga de escrever só quando estou mal, ou para baixo. Quero mudar isso aqui, e sei que vai ser uma batalha grande contra a minha preguiça em abrir o notebook às vezes e escrever. Mas também é uma tentativa de escrever minhas memórias, de me conhecer sempre mais, de me enxergar como eu era, como sou e como serei. 
Lendo alguns textos antigos, eu juro; não me lembro de tê-los escrito. É com isso que vemos o quanto crescemos... ou diminuímos!
Mas voltando a 2016 (rsrs), eu tinha muitas expectativas esse ano e muitas delas não se concretizaram. Mas isso não é motivo para parar né. No caso, a gente só pára pra voltar à prancheta e reescrever os planos! Planos os quais eu ainda tenho muitos. A diferença de hoje pra antes, que ao analisá-los; muitos daqueles planos eram vazios. 
Isso é engraçado, pois eu falo tanto em legado mas os planos antigos eram coisas que eu poderia realizar até meu 35 anos. E nos 65 anos demais? Ficou ai a questão. Hoje quero tanta coisa diferente e ao mesmo tempo. Já quis ser ator, engenheiro, jornalista. atleta, blogueiro (esse aqui não conta!). Já quis estar aqui e longe ao mesmo tempo. Nadar no céu e voar no mar... Meio poético isso! rsrs
Mas 2016 quis que eu fosse escritor, que eu aflorasse ainda mais a minha criatividade (que nem sei se é tão boa).
Além disso, 2016 quis eu fosse uma espécie de professor, melhor; orientador. Falta muito ainda pra eu ter a honra de ser chamado de professor. Porém esse ano quis que eu pulverizasse de alguma forma o pouco que sei, tem sido muito legal, e é algo que pretendo me aprofundar ainda mais.
E pra 2017? Pretendo ser mestre, Jedi ainda por cima! HAHAHA
Mas sério, o que eu podia e não podia esperar em 2016, aconteceu. E pra 2017, não espero que seja melhor ou pior, porém também bem diferente como esse tem sido.
Bom, continuemos a caminhar então e espero soltar mais palavras aqui. Nada melhor do que deixar as mãos escreverem sem a censura da mente. Pra fechar, uma música que não tem saído da minha cabeça! ;)

 Tom Chaplin - See It So Clear

quinta-feira, 5 de novembro de 2015

The new beginning

Today, I woke up too early. I had new things to develop and still have it. Today is a day that I've been waiting for months; the day that I'd call The B-day. Not about birthday or anything like that, but The Beginning Day. 
This year of 2015 was a year to learn more about myself, about people around me, to learn more about my faith and about my fears.
Today, I'll have the chance to make new possibilities happen, I'll have the opportunity to improve myself as a human being again.
Today, I'm going to restart my career where it was stopped, but creating new visions about my way. 
First of all, I'd like to say THANK YOU God for make me a strong man that I wouldn't think I could be. Thank you to my whole family for the support during these hard times. Thank you to my blessed gift, 'cause since you appeared in my life, great things has happend to me! ❤️
Thank you to all my true friends for being here, by my side, making me smile even when I wanted to cry!!!
Now, it's time to run, time to create, time to be the best one! 😃

segunda-feira, 28 de setembro de 2015

Você é feliz?

Eu fui feliz? Eu sou feliz? Eu serei feliz? Na geração atual, da qual faco parte, essas são três perguntas das quais estamos sempre querendo nos convencer da resposta. E quando digo 'queremos nos convencer' é no sentido de sempre querermos ter como resposta positiva mesmo que a realidade seja negativa. Talvez seja uma forma de nos sentirmos motivados a sermos felizes e conformados, ou talvez seja por preguiça de fazer mudanças que sejam necessárias a nós pra nos sentirmos felizes da forma que nos leve a plenitude.
Quantas vezes você se fez essas perguntas? Creio que várias. Porém, quantas vezes você se respondeu com sinceridade? Acredito que poucas. E sabe por que? Porque temos a tendência de nos enganar, de mentir para nós mesmos já que não suportamos a ideia da falha, de termos errado em algum momento do caminho, e sermos responsáveis pela falta de felicidade. Mas ora, nos realmente somos responsáveis; tanto pela nossa felicidade quanto pela não felicidade. Só nós podemos escrever  o rumo da nossa estoria, seja de vitorias felizes ou de derrotas infelizes.
Tenho passado por momentos não muito felizes, que me fizeram sair do eixo e que fizeram eu perder um pouco a confiança em mim, coisas que aconteceram e que me fizeram e ainda fazem um pouco infeliz. 
Hoje sinto como se me faltassem partes, como se a minha felicidade não existisse mais, sinto que me falta alguma coisa. Entretanto ate mesmo antes das perdas que tive; eu não me sentia pleno, não me sentia completo, me via navegando e buscando coisas que nem eu mesmo sabia o que eram. Porém, ha alguns dias me fiz essas 3 perguntas e sabem qual foi minha resposta? Não sei!
Alias, eu hoje sei. Eu já fui feliz, eu sou feliz, e eu serei feliz! A diferença que hoje chego a conclusão que as minhas metas de felicidade se encontravam em lugares, pessoas e coisas erradas. Eu já havia as alcançado! Havia me esquecido que ser feliz era ser abençoado por Deus por ter uma família estruturada, que me ama do jeito que sou, de ter estudos e oportunidades que muitos não tiveram, de ter amigos que cuidam e se preocupam comigo, de ter inteligencia e maturidade suficiente pra discernir sobre o certo e o errado, de ser um jovem homem saudável, de ter caráter, de ter dois bracos e duas pernas que me habilitam a lutar e trabalhar, e ser o homem que nunca imaginei ser na minha adolescência. 
Confundimos muito os verbos ser e estar. Apesar de similares, o SER feliz é muito mais importante do que o ESTAR. Há dias que não ESTAMOS felizes, mas isso não significa que não sejamos e vice-versa. Porem e necessário buscar no tempo passado as respostas pra entender o seu tempo presente e ter base pra escrever o tempo futuro do seu verbo SER feliz!
Fui feliz, por tudo de bom e ruim que me apareceu pelo caminho. Sou feliz pelo que sou e por surpreender a mim mesmo a cada dia. Serei feliz, porque me fiz único, simples, grandioso e inabalável; e as possibilidades que me dei renovaram e renovarão a cada dia minha fé em mim!
Hoje tenho minhas respostas. 

E você, é feliz?